Portalphb - Portal de Notícias de Parnaíba,Piauí,Brasil


Confira a lista dos faltosos que salvaram o mandato do Deputado Presidiário

A política brasileira e, principalmente seus representantes, vivem uma época negra de extrema escuridão moral, ética e profissional.

O caso mais recente, que serviu para manchar ainda mais as nossas instituições políticas – se é que isso é possível – foi o caso do Deputado Federal Natan Donadon, preso e condenado a 13 anos de cadeia por formação de quadrilha e roubo aos cofres públicos do Estado de Rondônia.

Não irei nem me ater ao caso dos “mensaleiros”, pois, esse ainda está em andamento, mas, a verdade é que nossas instituições vivem e sobrevivem em um buraco negro de corrupção, desvios de verbas, dentre outros crimes eleitorais e criminais.

O caso e a falta de vergonha dos congressistas que, intitulam-se “nossos representantes” é tamanha que, um parlamentar que está sendo julgado, pasmem, vota no processo, a seu favor é lógico. Seria cômico se não fosse trágico.

O povo brasileiro e, principalmente à imprensa sabe de todas as artimanhas que esses parlamentares criam para beneficio próprio. O voto secreto, por exemplo, é apenas mais uma das táticas utilizadas para salvar à pele de ladrões e, não ficar sujo com a opinião pública, tática essa utilizado no caso no referido caso.


Nesses períodos de escuridão moral da política brasileira, à população sabe que o milagre de não cassarem o mandato de um condenado e morador do Presídio da Papuda, em Brasília, foi realizado, mas, não sabe o nome dos “santos”.

Dentre todos os congressistas, 50 deles, sabe-se lá porque, resolveram não aparecer para a votação, mesmo estando nas dependências do Congresso Nacional, fato esse que facilitou e muito a não cassação do Deputado Federal e, hoje presidiário, Natan Donadon.


Abaixo listaremos os nomes, siglas e Estados dos “fujões” que resolveram não comparecer à votação.

Confira a lista completa dos omissos:

PT

Angelo Vanhoni (PR);
Beto Faro (PA);
Biffi (MS);
Iriny Lopes (ES);
João Paulo Cunha (SP), condenado no julgamento do mensalão;
Marina Santanna (GO);
Miguel Corrêa (MG);
Odair Cunha (MG);
Pedro Eugênio (PE);
Pedro Uczai (SC);
Vicentinho (SP);

PP

Beto Mansur (SP);
José Linhares (CE);
José Otávio Germano (RS);
Luiz Fernando Faria (MG);
Paulo Maluf (SP);
Renzo Braz (MG);
Toninho Pinheiro (MG);
Vilson Covatti (RS);

PMDB

André Zacharow (PR);
Eliseu Padilha (RS);
Gabriel Chalita (SP);
Genecias Noronha (CE);
José Priante (PA);
Leonardo Quintão (MG);
Newton Cardoso (MG);

PSD

Edson Pimenta (BA);
Eduardo Sciarra (PR);
Eliene Lima (MT);
José Carlos Araújo (BA);
Sérgio Brito (BA);

DEM

Claudio Cajado (BA);
Eli Correa Filho (SP);
Jorge Tadeu Mudalen (SP);
Lira Maia (PA);

PDT

Enio Bacci (RS);
Giovani Cherini (RS);
Giovanni Queiroz (PA);

PR

Valdemar Costa Neto (PR), condenado no julgamento do mensalão;
Vicente Arruda (CE);

PSB

Abelardo Camarinha (SP);
Paulo Foletto (ES);

PSC

Nelson Padovani (PR);
Pastor Marcos Feliciano (SP);

PSDB

Carlos Roberto (SP);
Marco Tebaldi (SC);

PC DO B

Jandira Feghalli (RJ);

PMN

Jaqueline Roriz (DF), outra deputada que escapou de cassação do mandato;

PPS

Arnaldo Jardim (SP);

PV

Eurico Júnior (RJ);

Interessante analisarmos com cuidado essa lista negra dos políticos brasileiros. Notemos que, muitos dos que não compareceram para votação já estiveram ou estão envolvidos em crimes contra o erário público.

Fica então provado mais uma vez, o corporativismo existente entre essa gente que conduz o destino da nação, que cria as Leis e, que, ao mesmo tempo descumprem essas mesmas Leis.

    Fonte: Portalphb.com.br
    Foto: Divulgação
    Edição: Walter F. Fontenele/PortalPhb
    Postada dia 30/08/2013 às 10:00