Portalphb - Portal de Notícias de Parnaíba,Piauí,Brasil


Moradores de Natal gastam R$ 48 mil para ter própria central policial

Ao todo, são nove câmeras instaladas nas principais ruas do bairro, formando um sistema de monitoramento em tempo real

Cansados da onda crescente de violência, os moradores do bairro de Morro Branco, na zona Sul de Natal inauguraram nesta quinta-feira (5) uma base de segurança, totalmente moderna e equipada com câmeras, que farão o monitoramento na região.

A base funciona como um mini Ciosp e fica instalada no canteiro central da Avenida Brigadeiro Gomes Ribeiro. Ao todo, são nove câmeras espalhadas pelas principais ruas do bairro, formando um sistema de monitoramento transmitindo imagens em tempo real direto para a central, que funciona dentro de dois contêineres.

Atualmente, a base policial comunitária funciona com um efetivo de seis policiais militares e funciona 24 horas por dia. Uma viatura e duas motos cedidas pela Secretaria de Segurança Pública completam o equipamento de segurança, que funciona de forma interligada ao Centro Integrado de Segurança Pública (Ciosp). Há espaço ainda para alojamento para o descanso dos policiais.

Mário Emerenciano, idealizador do projeto conta que tudo começou há cerca de dois anos quando os moradores do bairro enfrentavam uma grande onde de assaltos.

``Aqui você não podia circular em nenhum horário que corria o risco de ser assaltado ou de acordar com alguém dentro da sua casa``, disse.

Insatisfeitos com a situação e com a fata de iniciativa do governo, os moradores decidiram arregaçar as mangas e mostrar, eles mesmos, que basta força de vontade e um pouco de iniciativa para transformar a realidade em que se vive.

Emerenciano explica que, começou a se reunir com os outros moradores com objetivo de chamar atenção do poder público. Com isso, eles conseguiram que fosse instalado um base policial. No entanto, a base não oferecia a menor estrutura para os policiais.

``O trailer era todo enferrujado, além de não oferecer o mínimo de segurança. A viatura usada pelos policiais tinha os pneus carecas e além de colocar a vida deles em risco não oferecia a menor condição para as ações policiais``, explicou ele.

Custo próprio

Diante da situação, os moradores decidiram custear a reforma do trailer e trocas os pneus da única viatura disponível. Com dinheiro próprio, os moradores chegaram a gastar R$ 6 mil para estruturar a base policial.

Acreditando que a segurança poderia ser ainda mais reforçada, Emerenciano conta que começou a pesquisar formas de ampliar aquela base policial.

``Comecei a estudar e me deparei com um modelo de base comunitária utilizado na Alemanha, que funciona em contêineres. A partir dai comecei a pensar em formas de adaptar aquele modelo no bairro``, narrou.

Com a ideia na cabeça, o maior desafio seria arrecadar o valor necessário para comprar os contêineres que custava em torno de R$ 46 mil. Foi então Emerenciano e os outros moradores começaram a fazer rifas com o sorteio de motos para levantar o montante.

Depois de poucos meses, vendendo rifas em várias partes da cidade, os moradores conseguiram arrecadar a quantia de R$ 32 mil. ``Pra completar o que faltava, fizemos bazar, além de outras rifas``.

Com os contêineres comprados, faltava os equipamentos. Emerenciano conta que em uma das vezes em que estava vendendo as rifas foi abordado por um homem que se apresentou como dono de uma empresa de segurança.


``Lembro que ele falou que se sentiu sensibilizado com o nosso trabalho e resolveu nos doar uma câmera. Em conversas posteriores conseguimos fechar um pacote para o aluguel de nove câmeras ao custo de R$ 1,5 mil por mês``, contou.

O idealizador do projeto se diz feliz com o resultado, mas ao mesmo tempo decepcionado e saber que os moradores tiveram que fazer um papel que seria do governo.

``Nos entristece saber que vivemos em uma sociedade que não prioriza o cidadão, que o deixa a mercê da insegurança, da falta de saúde, de educação``, lamentou ele.

Fonte: Saulo de Castro/Portal no Ar
Foto: Wellington Rocha/Portal No Ar
Edição: Walter F. Fontenele/PortalPhb
Postada dia 08/11/2015 às 09:01